sábado, 27 de agosto de 2016

INFELIZMENTE


Não deixo de ser egoísta,
Quando fico triste sem razão.
Os sentimentos dentro de mim,
Causa-me  uma incompreensível sensação.


É um vai e vêm existente,
Presente no cotidiano.
Trancafiado com mensagens,
Que vivo decifrando.


Um bolo de mil sabores,
No embrulho colado um aviso.
Infelizmente contagioso,
Perigo! Perigo!


autora:ADRIANA ANDRADE